Educação 4.0 – Você está preparado?

Que venha a Educação 4.0! Se a Web 2.0 pareceu um desafio, se as TICs revolucionaram o ensino online, chegou a vez dos efeitos da 4ª Revolução Industrial chegar à Educação.

Estar preparados nós nunca estamos realmente.

Considere que a construção do conhecimento é tão dinâmica quanto a evolução das tecnologias digitais. Só isso já coloca você num espiral de constante renovação.

Junte isso às mudanças sociais, culturais, ambientais e os perfis heterogêneos de estudantes e professores.

Estar 100% preparado é uma ilusão. Você deve sim estar de posse de conhecimentos, habilidades e ferramentas. Assim você terá condições de encontrar soluções diferentes para o mesmo problema.

A Educação 4.0 já é uma realidade para muitos.

Lidamos com extremos opostos. É fato! E isso faz com que tenhamos um olhar e uma escuta atentos para podermos aproveitar ao máximo as características dos novos contextos que se configuram.

1. Educação 4.0

Pare e olhe a sua volta… Observe quantas pessoas possuem celulares, algumas vezes até mais de um… Veja quantas pessoas estão carregando seus notebooks na mochila. Olhe quantas têm relógios conectados aos seus celulares, quantas possuem tablets, leitores digitais ou similares….

Na Educação 4.0, as tecnologias digitais chegam à sala de aula para desconfigurarem a sala de aula. Além de propostas inovadoras de ensino, o “aprender fazendo” dita a nova dinâmica de aprendizagem.

Assistimos à quebra da educação informativa, em busca de uma educação que esteja com foco na transformação. Neste ponto, faz diferença se você já pensa em seus projetos dentro de uma proposta transformativa.

Estarmos hiperconectados passa a ser realidade dentro e fora da sala de aula.

Tudo bem…. posso estar exagerando um pouco. Afinal apesar da tecnologia estar presente em diversos espaços da nossa vida diária, muitas escolas ainda não têm acesso à tecnologia digital a que faço referência.

A verdade é que estas múltiplas conexões nos levam a diferentes formas de aprendizagem.

E para a Educação 4.0 absorver tanta inovação tecnológica, é imprescindível que o Professor venha a desenvolver novas competências. Estas competências vão auxiliá-lo a lidar com os novos alunos, que já nascem tecnologicamente plugados, assim como, com a sobrecarga de informações e de aprendizagens.

2. O Ponto de Partida

Inteligência artificial, nanotecnologia, robótica, biotecnologia, impressão 3D, realidade virtual, realidade aumentada, internet das coisas….

A convergência de tecnologias digitais, físicas e biológicas mudará a forma como vivemos em um futuro próximo. Esse movimento vem sendo chamada pelos especialistas como a 4ª REVOLUÇÃO INDUSTRIAL.

Falar em uma nova revolução industrial quase me leva a pensar numa reinvenção da roda. Sei que não é este o caso. Mesmo assim os avanços das tecnologias digitais da última década, ou dos últimos 5 anos, apontam uma mudança na forma como nos relacionamos com as estratégias de produção e de trabalho.

Este caminho foi traçado por pessoas que estavam a frente de seu tempo. Pessoas que se empreenderam e arriscaram sonhar e criar uma realidade de possibilidade e de oportunidades que parecia impossível. Foram visionários.

O mundo conectado de hoje caminha a passos largos para uma hiperconexão, que se torna tangível com a chegada da internet das coisas. E pensar que, faz apenas alguns anos, a construção de casas inteligentes era parte de um universo ficcional distante. Quem diria…

Nós estamos interconectados.

Construímos teias que favorecem a colaboração, a gestão do conhecimento e a construção coletiva. Nossas experiências ganham relevância e status equiparado às formações acadêmicas.

Estratégias de design thinking e metodologias ágeis favorecem e aceleram processos de criação, produção e implementação.

As tecnologias digitais chegam revolucionando os processos de produção e de interação. Impactando todos os setores, trazendo tudo junto, misturado e intensamente presente… Só que esta situação é apenas uma parte do quadro que vivenciamos hoje.

Para que esta revolução chegasse aos dias de hoje…. a presença de empreendedores visionários foi imprescindível.

3. É hora das TDICs

Com as Tecnologias Digitais da Informação e da Comunicação – TDICs – passamos a ter comunicação e interação em tempo real. Assim como abriu espaço para que ensino e aprendizagem passassem a existir em ambiente informatizado.

Os alunos deixam de ser passivos e passam a buscar, a selecionar e a organizar dados e informações no processo de construção do conhecimento nos diversos campos do saber, assim como a formação ética e consciência social.

E como inserir as TDICs na Educação 4.0?

Repensando o processo educacional. E permitindo que criatividade e inventividade invadam as salas de aula:

  • A prática docente assume o papel de MEDIAR A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO.
  • Em sala, o docente passa a explorar metodologias ativas ao trabalhar com projetos, investigação, resoluções de problemas, produções de narrativas digitais e desenvolvimento de práticas.
  •  A educação fundamentada em criatividade e inventividade é uma possibilidade.
  • Com o propósito da experimentação, exploramos diferentes recursos e atividades e conexões interdisicplinares….

É hora de colocar o aluno no centro do processo de aprendizagem.

Tecnologias são importantes.

Só que a Educação 4.0 não é feita somente de tecnologias. É fundamental que essas tecnologias venham acompanhadas de práticas pedagógicas que possibilitam vivências significativas, respeitando docentes e alunos.

# O professor deve ter o olhar para essa revolução, estimulando múltiplas redes de aprendizagem, permitindo uma gama de associações e de significações entre a escola e a comunidade do entorno.

# O professor deve aprofundar o olhar sobre as diferentes práticas adotadas, para garantir que o aluno seja o eixo central do processo de aprendizagem.

# O professor deve se inserir neste contexto de múltiplas tecnologias:

  • Seja para dominar e usar essas tecnologias em suas aulas… Computadores, projetores de multimídias, quadros interativos, tablets, smartphones e outras tecnologias de uso cotidiano sendo inseridos na dinâmica das aulas.
  • Seja apenas para compreender seus usos e instigar seus alunos a ir além do uso funcional destas tecnologias e contribuir para apresentação e interação nas aulas.

As TDICs abrem possibilidades tecnológicas para as salas de aula, motivando a implementação de metodologias ativas e híbridas.

Com tudo isso, as competências do professor necessitam ser reavaliadas. É o momento de rever e renovar. Novas competências passam a ser requeridas.

3. Professor 4.0

Na Educação 4.0, o professor deve rever e renovar suas práticas pedagógicas. Algumas características são fundamentais para o novo exercício da docência:

(1) REALIZAR DIAGNÓSTICO, ou seja, verificar como cada aluno aprende e personalizar esse aprendizado.

(2) SER CURADOR DE CONTEÚDO, direcionando o aluno e identificar conteúdos de boa qualidade na internet;

(3) SER UM LÍDER DE EQUIPE, engajando seus alunos na busca por soluções  e na construção de novas possibilidades.

Não é só isso… Também são requeridos dos professores conhecimentos, habilidades e atitudes que não faziam necessariamente parte do seu repertório.

As estratégias de aprendizagem, na Educação 4.0, seguem na mesma linha do Learning by doing. Nossa prioridade, enquanto professores, é a construção de uma educação através da vivência e experimentação.

Nada está PRONTO e ACABADO, são espaços em construção, desenvolvimento criativo, inovação e testes.

Resgate do APRENDER FAZENDO, colocando em PRÁTICA, pondo “as mãos na massa”. Assim fazemos o resgate da diversão, do jogo, da estratégia, da busca de saídas e possibilidades.

Para este novo contexto, alguns desses novos conhecimentos, habilidades e atitudes estão presentes em: 

(1) Ser Desenvolvedor de competências.

  • propulsor para o desenvolvimento de competências em sala de aula, seja esta presencial ou online.
  • mediador na construção de conhecimentos na relação de ensino-aprendizagem.
  • condutor de possibilidades e de descoberta dos alunos por meio do uso das Metodologias Ativas.

(2) Ser Pesquisador.

  • fazer da sala de aula um espaço de experimentação e vivências,  para a construção coletiva e colaborativa.
  • engajar os alunos para juntos buscarem alternativas para os novos problemas que surgem a cada dia.
  • realizar levantamento de informações que podem contribuir na construção dos novos conhecimentos.
  • aprender com o aprendizado de seus alunos e com suas próprias experiências.

(3) Ser Adepto de Novas Tecnologias.

  • conhecer e, quando possível, dominar as ferramentas envolvidas nas atividades propostas.
  • ser mediador para a execução dos projetos desenvolvidos em seus cursos e disciplinas.
  • integrar as tecnologias presentes no cotidiano dos alunos nos contextos de aprendizagem.

(4) Promover o bom convívio e tolerância.

  • aplicar atividades em diferentes formados, especilamente para serem realizadas em grupo.
  • promover a reflexão crítica e consciente nos alunos.
  • estimular a participação, a colaboração, a construção coletiva e colaborativa, o engajamento coletivo.

Para incorporar a Educação 4.0, o significado da palavra professor se amplia e ele ganha status de amplo de educador. Afinal….

  • tem percepção e flexibilidade para assumir diferentes papéis: aprendiz, mediador e pesquisador.
  • cria circunstâncias propícias às exigências desse novo ambiente de aprendizagem.
  • propõe e mediar ações que levem à aprendizagem significativa do aluno, instigando-o à reflexão crítica.
  • explora recursos e ferramentas, de forma participativa, mediando o acesso do aluno às informações.
  • conduz o aluno na reconstrução do conhecimento ao trabalhar com as diversas faces da aprendizagem.

Qual o papel do professor nesta nova configuração?

Ao professor, cabe conduzir o aluno a encontrar novas soluções após investigar, descobrir, conectar, criar e refletir, e, a partir dos resultados, repensar outras alternativas, se necessário.

O professor desenvolve sua ESCUTA ATIVA para levar o aluno a testar infinitas possibilidades, a partir de metas e objetivos claros e bem definidos.

A ação do professor deve favorece a pesquisa, desenvolvimento de estratégias e abordagens, bem como trazer  a reflexão crítica.

Ao professor, cabe entender o contexto histórico social dos alunos e as dificuldades do processo. Trazer o contexto para dos processos de aprendizagem favorece o desenvolvimento de competências sociais nos alunos.

O professor exerce o papel de orientador e incentivador – torna-se parceiro do aluno e instiga-o a compartilhar e refletir.

Educação 4.0 pressupõe ação conjunta professor e aluno.

Se observamos mudanças nas propostas educacionais, tanto pela inserção das tecnologias digitais, quanto pelas exigências do estudante 4.0.

Então, quero chamar sua ATENÇÃO. Somos nós, enquanto professores, responsáveis por essas mudanças, presentes para o impacto de todas as nossas ações.

Parte do desafio de ser professor 4.0 é estar em constante aprendizado. Logo, ele deve se desafiar a considerar as vivências e experiência dos seus alunos, bem como as suas para fazer da sala de aula um espaço  de reflexão, de debate, de construção.

4. ESTUDANTE 4.0

O perfil do estudante do século XXI provocou parte dessas transformações. Não é uma demanda externa, somente do contexto situacional. Cada vez mais autônomo, este aluno não para diante de qualquer obstáculo.

O diferencial presente nestes alunos está em serem determinados a desenvolver habilidades de comunicação oral e escrita.

O estudante 4.0 tem facilidade para desenvolver atividades em equipe. Entende a necessidade de respeitar as opiniões diferentes. A Educação 4.0 é cooperativa, colaborativa e interativa, uma teia em expansão. Para que isso seja possível, nosso jogo é em time.

Ele investiga outras fontes de informação, antes de defender uma ideia. Estão focados em “aprender a aprender”, o que resulta no despertar da AUTONOMIA e engajamento.

O estudante 4.0 dispõe-se ao cumprimento de planos e prazos. Consequentemente, ele se propõe a fazer o que tem que ser feito, porque se comprometeu a fazer.

É ai, que se faz presente a iniciativa e espírito empreendedor. Esse estudante passa a resolver situações-problema pensadas a partir de seus próprios interesses

5. E AGORA?

Propomos ATENÇÃO para o construir, descontruir e reconstruir a aprendizagem.

Fazer do exercício da docência, um exercício de experimentação, expansão, criação de novas possibilidades e de ação.

Qual será o SEU primeiro passo?

O que você vai fazer para ser contribuição para esta MUDANÇA?

Qual o seu comprometimento com esta mudança?  Quero apenas deixar você presente de que tudo o que está acontecendo dentro dessse espaço da Educação 4.0 está presente no 4 Pilares da Educação.

  • Aprender a conhecer refere-se a despertar e promover nos alunos suas habilidades de pensar, raciocinar, compreender e encontrar soluções para as problemáticas que surgem no dia a dia.
  • Aprender a fazer ocorre na medida em que colocamos os conhecimentos em prática.
  • Aprender a conviver refere-se à capacidade das pessoas de se relacionarem consigo próprias, com os outros e com a sociedade.
  • Aprender a ser visa o desenvolvimento do indivíduo integral: espírito e corpo, sensibilidade, sentido estético. O foco é que esse indivíduo possa desenvolver a sua personalidade, sua capacidade e autonomia

Meu convite é para que você conheça o Portal do Circuito e-Learning.

Nosso Portfólio foi pensado em você que atua no segmento educacional, seja em instituições formais de ensino, seja no corporativo, seja como docente online independente. AQUI você encontra tudo para desenvolver seus cursos, materiais essenciais e complementares, e ainda estratégias para tornar seus cursos exatamente o que seu cliente quer receber de você.

Alexandra Caetano

Sobre a autora

Alexandra Caetano

Empresária. Consultora de Projetos de e-Learning, Designer Instrucional, Especialista em EaD, Gestora de Projetos e de Equipes, Especialista em Desenvolvimento e Curadoria de Conteúdos. Com formação nas áreas de exatas, humanas e gerenciais, atuo com e-Learning há mais de 17 anos, ao qual aplico os estudos de marketing digital aliado ao marketing de conteúdo e implementando o marketing de aprendizagem em meus projetos e negócios. Vejo na combinação e-Learning, Empreendedorismo Digital e Tecnologia possibilidade para exponencialmente melhorarmos a qualidade de vida das pessoas e consequentemente do planeta. Tecnologias, Games, Cinema e Histórias, não necessariamente nesta ordem, são grandes paixões, mas antes de tudo posso dizer que sou apaixonada pela vida.

Siga Alexandra Caetano:

Deixe um comentário:

Todos os campos com “*” são necessários

Edilson Costa dos Anjos

Olá, professora Alexandra Caetano!
Muito bom o artigo. Traz uma abordagem focada nas mudanças educacionais que estão ocorrendo ano a ano em função do surgimento de novas TDICs. A Educação 4.0 traz ao docente um novo desafio: o de manter-se permanentemente atualizado nas novas tendências educacionais. Não basta só adquirir o conhecimento teórico, mas sobretudo saber usá-lo e aplicá-lo nas distintas instituições de ensino. Assim, o papel do docente se torna cada vez mais complexo e reflexivo. As ferramentas tecnológicas empregadas na EaD estão aí. Livres, abertas e acessíveis. Buscá-las e utilizá -las nas práticas docentes é a competência a ser desenvolvida por cada professor.

Leave a Comment:

Todos os campos com “*” são necessários